Verso do Dia

21 de fevereiro de 2014

10 Dias de oração em busca pelo Espírito Santo

9º Dia - 21/02 - Tema: Alegria e Gratidão

Texto para meditação:
OS SINOS DO CÉU

Pela recordação que guardo de tua fé sem fingimento, a mesma que, primeiramente, habitou em tua avó Loide e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também, em ti. 2 Timóteo 1:5
James Dobson, conhecido psicólogo cristão que trabalhou no Hospital para Crianças em Los Angeles, conta a história de um garoto afro‑americano, de cinco anos, que nunca seria esquecido por ele. O garotinho estava internado, morrendo de câncer no pulmão, uma terrível enfermidade, especialmente em seu estágio final. Os pulmões se tornam cheios de fluidos, e o paciente fica incapaz de respirar, sentindo-se como se estivesse morrendo afogado. A experiência, segundo Dobson, é grandemente perturbadora, particularmente para uma criança pequena. O garotinho era filho de mãe cristã. Ela o amava grandemente e permanecia ao seu lado em meio ao doloroso cortejo da enfermidade. A mãe o colocava em seu colo e conversava suavemente com ele acerca de Deus e do Céu. Instintivamente ela o estava preparando para os momentos finais que se aproximavam.
Gracie Schaeffler, enfermeira do garoto naquele dia, entrou em seu quarto e o ouviu falar de "sinos do Céu". Ele balbuciava, como se conversasse com sua mãe: "Os sinos estão tocando, mãe, eu posso ouvir." A enfermeira julgou que ele estivesse tendo alucinações. Voltou um pouco depois e novamente ouviu a criança falar de "sinos tocando". A senhorita Gracie, à tarde, contou para a mãe do menino que ele tivera alucinações, falando coisas que não existem, provavelmente por causa da dor. A mãe, que no momento estava com a criança no colo, o apertou ainda mais contra o peito. Com um sorriso, disse: "Não, senhorita Schaeffler. Ele não está alucinando. Eu o ensinei que, quando amedrontado, quando ele não pudesse respirar, focalizasse um canto no quarto e tentasse escutar cuidadosamente; ele ouviria os sinos do Céu tocando para ele. É disso que ele estava falando." Aquela preciosa criança faleceu no colo de sua mãe, naquela mesma noite, ainda falando dos "sinos dos anjos".
Tenho grande admiração por pais e mães que ensinam os filhos a confiar no Senhor. Não importa o que a vida venha a jogar sobre eles ou que circunstâncias tiverem que atravessar, tais crianças, por pequenas que sejam, saberão que não estão sozinhas nem desamparadas. Esse ponto de referência espiritual será a maior herança que os pais podem deixar a seus filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente sobre a postagem...